quarta-feira, 3 de setembro de 2014







ESTABILIDADE NO SENHOR 
Pr.   Renato   Ribeiro


Introdução

A estabilidade é outra das qualidades que se deve encontrar na vida de todo líder . Infelizmente, muitos crentes são extremamente inconstantes. O seu humor se altera com as condições atmosféricas, de tal modo que por muitas vezes se tornam brinquedos das circunstâncias; em conseqüência, não se pode depender deles. Suas intenções são boas, mas, em vista de serem emocionalmente instáveis, freqüentemente perdem a estabilidade. Estabilidade é outro traço de caráter que deve ser encontrado na vida de todo
crente.
Estabilidade de caráter pode ser compreendida como estabilidade de emoções .
A Bíblia retrata para nós um homem de tempe-ramento irresoluto, que conhecemos pelo nome de Simão Pedro. Certo dia o Senhor perguntou aos Seus discípulos quem o povo pensava que Ele era, ao que eles retrucaram que alguns julgavam-No ser João Batista, outros pensavam que Ele fosse Elias, ao passo que ainda outros viam Nele Jeremias ou algum dos profetas.
Então Ele fez a mesma pergunta aos discípulos, dizendo: "Mas vós, quem dizeis que eu sou? "
A resposta de Pedro: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo", provocou de imediato a réplica de Jesus: "Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai que
está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja" (Mateus 16.13-18).
Note a declaração: "Sobre esta pedra edificarei a minha igreja". Parece que o Senhor tinha em mente
o contraste que estabelecera, no Sermão da Montanha, entre o sábio que edificou a sua casa sobre a rocha, em razão do que ela pôde resistir à tempestade e à inundação, e o insensato que edificou a sua casa sobre a areia, e sob o mesmo embate das intempéries esta ruiu completamente.
Por mais que a Igreja seja sujeitada a pressões, jamais poderá entrar em colapso, visto estar
firmemente estabelecida sobre a Rocha, que é Jesus Cristo.
Em data posterior, Pedro escreveu as seguintes palavras: "Também vós mesmos, como pedras
que vivem, sois edificados casa espiritual" (I Pedro 2.5).
A estrutura superior da Igreja se compõe da mesma substância de que é formado o seu alicerce; e assim como a estabilidade caracteriza o alicerce, igualmente caracteriza o edifício inteiro. A estabilidade, pois, é um distintivo necessário do caráter de todo obreiro cristão, pois cada qual é uma "pedra que vive". Cristo disse a Pedro: "Tu és Pedro" (em grego, petros, uma pedra) "e sobre esta pedra" (em grego, petra, rocha) "edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela".  Uma pedra que faça parte de um edifício não é uma rocha imensa, à semelhança do alicerce; porém, embora o alicerce e a estrutura superior sejam diferentes quanto às suas dimensões, no tocante à substância são do mesmo material.
Cada um daqueles que participam do edifício da Igreja poderá ser pequeno em suas medidas, mas no tangente à sua natureza em nada difere do Cabeça da Igreja.Observemos em seguida como prossegue a passagem que acabamos de citar: "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus: o que ligares na terra, terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra, terá sido desligado nos céus". Essa
promessa, aqui dirigida a Pedro, também foi feita, mais tarde, à Igreja toda (ver Mateus 18.18). É claro que Pedro ouviu essas palavras como um indivíduo, mas foi em sua capacidade de ministro de Cristo que as chaves do reino dos céus lhe foram confiadas. Foram-lhe entregues aquelas chaves a fim de que pudesse agir como quem abre as portas; e ele atuou claramente nessa capacidade, no dia de Pentecoste e,posteriormente, na casa de Cornélio. 
Na primeira instância, ele abriu a porta do reino dos céus para os judeus, e, no segundo caso, para os gentios. Entretanto, quando o Senhor Jesus se dirigiu a Pedro, em Cesaréia de Filipe, o caráter desse apóstolo não correspondia ainda ao seu nome, pois naquela altura dos acontecimentos era incapaz de fazer uso das chaves do reino dos céus. Todavia, quando, pela graça do Senhor, foi libertado da instabilidade que o caracterizava até então, e se tornou um ministro de Cristo, firme como uma rocha, pôde usar as chaves que lhe haviam sido conferidas, e pôde valer-se da autoridade de abrir ou fechar.Nenhum indivíduo marcado por um tempera-mento irresoluto pode exercer um ministério dessa natureza. Deve haver equiparação entre
o caráter do ministro e o caráter do ministério.
Ambos devem trazer o caráter da Igreja contra a qual as portas do inferno jamais poderão prevalecer. Infelizmente, contudo, as portas do inferno prevalecem contra muitos obreiros cristãos em vista de serem sempre vacilantes; por esse motivo, não se pode depender deles na obra do Senhor. 
A menos que essas naturezas instáveis sejam transformadas, seremos incapazes de funcionar no ministério específico do qual tenhamos sido incumbidos; mas, louvado seja o Senhor, Ele conta com recursos plenamente capazes de transformar o nosso caráter, tal como transformou o de Pedro. Ele pode abordar
qualquer espécie de fraqueza que porventura esteja maculando as nossas vidas, e pode reconstituir-nos de tal maneira que nos tornemos aptos para o Seu propósito.
A Bíblia esclarece que foi por revelação que Pedro foi capaz de reconhecer que Jesus era o Cristo, o Filho do Deus vivo. Jamais teria podido fazer sozinho essa maravilhosa descoberta, nem poderia outro homem ter-lhe implantado tal conhecimento; mas Deus é que lhe fizera saber disso. A partir do momento em que Pedro fez sua confissão, Jesus começou a falar aos discípulos acerca dos sofrimentos que
já esperavam por Ele para breve; e lhes falou abertamente sobre a Sua iminente crucificação e ressurreição, após o que Pedro, "chamando-o à parte, começou a reprová-lo, dizendo: Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá. Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda! Satanás" (Mateus 16.22,23).
A Igreja tem como obrigação gerar esperança, fazendo com que as pessoas creiam que é possível, mesmo no meio do caos e da instabilidade, haver estabilidade. Eu quero te encorajar com esta palavra, porque a Bíblia Sagrada nos ensina que Deus cuida, pessoalmente, daqueles cujo destino eterno está garantido por Ele. O Senhor prometeu em Sua Palavra que nunca, em hipótese alguma, abandonar-nos-ia. Olha o que diz Hebreus 13:5-6: “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?”O Livro de Provérbios de Salomão nos ensina muito a respeito do temor de Deus. Eu selecionei alguns versículos. Olha, por exemplo:
Provérbios 1:7: “O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.”A conseqüência da falta de temor é loucura!
Olha o mundo como está vivendo aí fora, olha como era a nossa vida antes de termos Jesus. A Bíblia diz que andávamos segundo o príncipe das potestades do ar, que fazíamos a vontade de Satanás, que éramos como os demais filhos da ira; na carne, éramos como filhos da ira. Mas, graças a Deus que Ele nos comprou pelo Seu Sangue, trouxe-nos para a Sua Casa, para a Sua Igreja, uniu-nos à Sua Noiva. Quando um crente teme a Deus, ele não vê loucuras na sua vida. Pelo contrário, ele vê frutos e abundância, porque
segue o que a Bíblia ensina. O temor de Deus é seguir o que a Bíblia revela.Provérbios 8:13 diz: “O temor do SENHOR consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço.”Provérbios 9:10 diz: “O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência.”
Provérbios 10:27, olha que coisa linda: “O temor do SENHOR prolonga os dias da vida, mas os anos
dos perversos serão abreviados.”Quem teme a Deus possui mais anos de vida, não adoece. As estatísticas dizem que, quem é da fé, quem é temente a Deus, possui 85% de chances de não adoecer, e, se eventualmente adoece, possui 80% mais de chances de sair da doença. Por que o temor de Deus prolonga os dias? Porque um crente, cuja vida é estabelecida em Deus, que já aprendeu a conviver em congregação, que já aprendeu a servir ao próximo, não gasta noites de farra, não se mete a usar drogas, não anda na prostituição, não pega AIDS, então, os seus dias são alongados.Vamos adiante. Provérbios 14:26: “No temor do SENHOR, tem o homem forte amparo, e isso é refúgio para os seus filhos.”
O homem temente a Deus dá segurança para os seus filhos. Agora, o homem que não é temente faz o
que não deve.Provérbios 14:27 diz: “O temor do SENHOR é fonte de vida para evitar os laços da morte.” O temente a Deus possui fonte de vida.Mostra a Palavra em Provérbios 15:33: “O temor do SENHOR é a instrução da sabedoria, e a humildade precede a honra.” Quando o cristão teme a Deus, é honrado.
Provérbios 19:23 diz: “O temor do SENHOR conduz à vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e mal
nenhum o visitará.”
O temente a Deus não possui falta de dinheiro, porque é dizimista, é protegido pelos anjos de Deus,
porque possui crédito diante do Pai. Ele pode estar no vale da sombra da morte, mas Deus está com ele,
tudo porque teme a Deus.Diz a Palavra em Provérbios 23:17: “Não tenha o teu coração inveja dos pecadores; antes, no temor do SENHOR perseverarás todo dia.”Não invejes, mas, no temor, na reverência,
persevera todos os dias. De Domingo a Domingo, teme a Deus.
Todos nós que andamos neste mundo, passamos por muitas situações difíceis, e é o temor e a obediência que geram estabilidade. Quando uma pessoa teme a Deus, ela fica livre de muitos problemas, pois, as situações difíceis, Deus resolve.Quando se aplica o Conhecimento da Palavra, se está sendo sábio, e o sábio teme ao Senhor, logo, nunca haverá ruína para ele. Assim dizem os dois fundamentos
de Mateus 7:24: “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um
homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha;”
O que acontece com quem leva uma vida de temor? Diz assim: “e caiu a chuva, transbordaram os rios,
sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a
rocha.” (versículo 25).Agora, vê a pessoa que não teme a Deus: “E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia;” (versículo 26).Depois, o que acontece? “e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” (versículo 27).
Vê, uma não caiu, a outra desabou.
Quem é que não cai? Quem teme a Deus, quem aborrece o mal.